jun 7 2021

Boi gordo: Primeiro dia da semana é marcado pelo baixo ritmo de negócios em todo o País


Nesta segunda-feira, 7 de junho, as indústrias frigoríficas de São Paulo pagaram R$ 2/@ a mais para todas as categorias destinadas ao abate, frente aos valores da última sexta-feira, informa a Scot Consultoria.

Com isso, o boi, a vaca e novilha gordos foram negociados, respectivamente, em R$ 314/@, R$ 292/@ e R$ 304/@ (preços brutos e a prazo).

O ágio do animal padrão exportação (abatido mais jovem, com até quatro dentes) pode chegar a R$ 8/@, dependendo da negociação.

Segundo apurou a IHS Markit, segunda-feira foi marcada pelo baixo ritmo dos negócios, considerando todas as principais praças pecuárias do País.

Os preços da arroba ficaram estáveis na maioria absoluta das regiões do Brasil, acrescenta a IHS (confira abaixo as cotações atualizadas de machos e fêmeas em todo o País).

Ao longo da última semana, os frigoríficos conseguiram formar escalas de abate mais confortáveis, ao redor de 7 dias, relata a IHS.

Porém, observa a consultoria, tal condição só foi possível depois que as indústrias passaram a oferecer preços mais altos pela boiada gorda.

Da porteira para dentro, os pecuaristas evitam fechar qualquer negócio, pois seguem bastante preocupados com os fortes avanços nos custos da reposição e da nutrição animal.

Diante do atual cenário, o mercado do boi gordo segue em compasso de espera, observa a IHS.

Na avaliação da IHS, os frigoríficos devem enfrentar grande dificuldade para evitar novas altas na arroba caso a demanda interna pela carne bovina mostre reação mais significativa nos próximos meses.

Segundo a IHS, o recebimento da massa salarial e adiantamento do décimo terceiro salário de aposentados e pensionistas formaram o cenário perfeito para uma reação do consumo doméstico de carne bovina.

Grande parte dos salários foi paga nesta segunda-feira (7/6), fornecendo expectativa mais otimista para o consumo nos próximos dias, reforça a consultoria.

Cotações desta segunda-feira, 7 de junho, segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 315/@ (prazo)
vaca a R$ 292/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 303/@ (à vista)
vaca a R$ 288@ (à vista)

MS-C.Grande:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 283/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 305/@ (prazo)
vaca a R$ 294/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 306/@ (prazo)
vaca a R$ 296/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 289/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 304/@ (à vista)
vaca a R$ 291/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 289/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca R$ 282/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 300/@ (à vista)
vaca a R$ 286/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 306/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 304/@ (prazo)
vaca a R$ 285/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 294/@ (à vista)
vaca a R$ 280/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 318/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 318/@ (à vista)
vaca a R$ 300/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 288/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 291@ (prazo)
vaca a R$ 286/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 296/@ (prazo)
vaca a R$ 281/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 298@ (prazo)
vaca a R$ 2878/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 288/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 283/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 2901/@ (prazo)
vaca a R$ 275/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 286@ (à vista)
vaca a R$ 268/@ (à vista)

Portal DBO